O uso inteligente dos dados aumenta a produtividade das lojas

Artigo
Por ShopperTrak on 05-04-18

Há já algum tempo que os retalhistas têm vindo a utilizar determinados conjuntos de dados para sustentar as estratégias das lojas. Mas têm sido os dados certos?

Historicamente, têm confiado nas estatísticas de vendas para planear as escalas de trabalho, mas isso tem originado diversos problemas e conduzido à perda de oportunidades de venda. Para uma loja mais produtiva e, por conseguinte, mais lucrativa, é essencial monitorizar e usar dados de tráfego na programação das escalas de colaboradores.

A utilização destes dados permite aos retalhistas obter um rácio consumidores-colaboradores (STAR) mais eficiente e esta publicação apresenta diversas razões que justificam que esta metodologia é a mais produtiva, no que toca à otimização do trabalho.

O seu guia STAR

Aplicar conceitos focados no tráfego permite que os retalhistas tenham uma abordagem mais científica das escalas de trabalho e que os seus colaboradores estejam disponíveis quando são mais produtivos.

Ao planear os seus recursos humanos tendo unicamente por base o histórico de vendas, significa que os retalhistas não estão, necessariamente, a alocar um recurso para obter mais vendas. Conhecer com detalhe quantos consumidores estão habitualmente nas suas lojas, numa determinada hora, num certo dia, significa que pode ser estabelecido o melhor rácio STAR, em cada uma delas.

Nem todas as lojas são iguais, por isso ao afinar as operações tendo por base os níveis de tráfego gerado em cada uma delas, está realmente a criar as oportunidades certas para efetuar mais vendas.

Conheça as suas oportunidades

Oportunidade é a palavra chave! A aproximação tradicional à escala de pessoal é baseada na aversão ao risco, onde os departamentos financeiros dos retalhistas encaram a mão de obra como um custo a reduzir – e é esse princípio que conduz as vendas ou os dados transacionais a influenciarem, diretamente, a alocação de mão de obra.

Se as vendas não têm sido satisfatórias numa determinada loja, esta poderá ver a sua equipa reduzida, em conformidade com esses resultados. Mas essa decisão descura um ponto importante que é: a arte de vender.

Na indústria de retalho atual, em que as lojas são apenas uma parte da jornada de compras num ambiente multicanal de descobertas, pesquisas e experiências, o colaborador tem um papel muito relevante na realização das vendas. Ter mais colaboradores disponíveis para aconselhar, conduzir e encorajar, é realmente importante para os consumidores atuais – há muitas pesquisas que o comprovam – mas os retalhistas apenas poderão ver o verdadeiro potencial da oportunidade de vendas-por-consumidor (SPS) se se focarem nos níveis de tráfego.

Mais métricas úteis

De uma forma simples, os retalhistas que usam os dados de tráfego para otimizar as escalas de trabalho, são mais produtivos, porque possuem um maior conjunto de métricas para prepararem o trabalho no seu dia a dia.

Não só podem usar a abordagem STAR, que vai ao encontro das necessidades dos consumidores atuais, os quais referem que as opiniões e conselhos fornecidos pelos colaboradores das lojas são a principal razão pela qual visitam um retalhista e realizam uma compra, mas também podem compreender melhor os conceitos de horas de pico e de vendas-por-consumidor.

As horas de pico são aqueles momentos ao longo da semana em que o tráfego está no seu momento mais alto e, como tal, existem maiores oportunidades para se realizarem conversões. É mais importante que os retalhistas possuam o número certo de colaboradores na loja durante estes picos, do que durante qualquer outro período e sem realizar uma abordagem tráfego-colaboradores, estes acabam por nem perceber onde se encontravam as maiores oportunidades de vendas.

E é aqui que o rácio vendas-por-consumidor entra. Esta métrica é composta pelo valor médio por transação multiplicado pela taxa de conversão durante um certo período de tempo e permite fornecer uma informação estratégica relativamente ao desempenho geral da loja e a eficácia de cada colaborador.

É uma verdadeira medida de produtividade e permitirá garantir que os retalhistas estão a otimizar a mão de obra, tendo por base todas as oportunidades de vendas possíveis.

A ShopperTrak compilou um relatório de inteligência no retalho sobre a otimização da mão de obra, o qual destaca que otimizar o número de colaboradores face aos dados de tráfego, pode aumentar a produtividade e os ganhos. Os retalhistas que procuram obter o máximo das suas lojas num ambiente cada vez mais competitivo, vão certamente descobrir neste relatório os benefícios desta abordagem inovadora.

Descarregue o relatório para saber como os dados de tráfego dos seus clientes podem aumentar o seu sucesso das suas lojas

Pronto para conduzir o seu negócio ao próximo nível?

Faça clique em baixo para começar

Comece hoje mesmo
Leia mais publicações de ShopperTrak