Tendências de Consumo na Europa e APAC: as nossas constatações mais recentes

Artigo
Por ShopperTrak on 26-07-17

No decorrer do 2º trimestre, assistimos ao desenrolar de diversos dramas políticos, um pouco por todo o mundo, mas a indústria do retalho, provou uma vez mais, a sua resiliência.

Remando contra a quebra de confiança por parte dos consumidores e o abrandamento da expansão dos mercados, os retalhistas de todo o mundo superaram as incertezas e em muitos países até houve mais consumidores a visitarem as lojas no decorrer do trimestre, comparativamente ao mesmo período do ano passado. Entretanto, as perspetivas para o futuro são geralmente mais brilhantes do que imaginamos.

Por isso, que tendências de mercado estão no centro dos desenvolvimentos em termos de tráfego, na Europa e APAC, entre Abril e Junho deste ano? De seguida, apresentamos algumas das constatações incluídas nos nossos relatórios de Tendências de Consumo na Europa e Tendências de Consumo na APAC:

Novas lideranças na Europa estimulam a confiança

Na Europa, o tráfego de consumidores provou a sua resiliência, registando -0,1% no comparativo anual. O Financial Times declarou que a confiança dos consumidores, em Maio, na zona Euro, atingiu o valor mais elevado da última década, atingindo níveis de otimismo só vistos antes da crise financeira.

Olhando para a Europa, país a país, esta revela um panorama muito diversificado, mas existe um positivismo abrangente, o qual, em parte, pode ser atribuído às mudanças no campo político.

Não é segredo que a política influencia o tráfego nas lojas — seja com efeito imediato ou distribuído ao longo do tempo, os consumidores estão sempre prontos para saber em que medida as decisões políticas podem afetar as suas finanças — podendo induzir à poupança ou a um consumo mais elevado.

No 2º trimestre de 2017, vários partidos populistas foram derrotados por representantes de partidos moderados, abrindo caminho a uma maior estabilidade e a segurança financeira. Em França, apesar da descida da afluência de -1,9%, no comparativo anual, a eleição do centrista pró-europeu, Emmanuel Macron, animou as previsões do crescimento económico deste país.

Os mercados respiraram de alívio com as reformas anunciadas por Macron, afastando o receio provocado pelas ameaças da sua rival, que incluíam a saída do Euro.

Entretanto, na República da Irlanda, no 2º trimestre, o tráfego de consumidores cresceu +1,9%, no comparativo anual, assim que o pró-europeu, Leo Varadkar, subiu ao poder e manifestou a sua intenção de acelerar a recuperação económica, enquanto procura, simultaneamente, mitigar qualquer reflexo do Brexit.

Na Alemanha, o tráfego de consumidores cresceu 1,7% e antecipando a vitória de Angela Merkel em Setembro, muitos dos consumidores Europeus podem esperar um clima favorável no que toca à afluência de consumidores, nos meses que se avizinham.

No mesmo trimestre, a Áustria, a Polónia e Portugal também registaram um aumento de tráfego de consumidores, comparativamente ao mesmo período de 2016. Esta subida, foi influenciada pela melhoria da situação económica dos países vizinhos, aumentando a confiança dos consumidores e baixando a taxa de desemprego.

Os consumidores da APAC recebem diversas marcas multinacionais

As perspetivas são brilhantes em toda a região da APAC — verificou-se um aumento da afluência de +0,5%, no comparativo anual, no decorrer do 2º trimestre do ano.

Este desempenho pode ser atribuído a diversos fatores, mas há um que se destaca: as grandes marcas, como a Walmart e a Amazon na Índia e a TK Maxx e a Kaufland na Austrália, estão a aproveitar a oportunidade para expandir os seus negócios nestas regiões. Os consumidores tanto nos mercados em expansão, como nos mais maduros, estão a receber estas multinacionais de braços abertos.

A afluência de consumidores na Índia cresceu uns expressivos +7,6%, no comparativo anual, no decorrer do 2º trimestre e o seu crescimento contínuo não tem passado despercebido aos investidores estrangeiros.

A Índia tornou-se no país com maior crescimento, em termos do mercado de retalho, em todo o mundo, apoiado pela emergente classe urbana e com boa formação académica. Atraídas pela legislação branda, retalhistas como a Walmart e a Amazon, rapidamente reclamaram a sua fatia dentro do mercado retalhista indiano, implementando um número substancial de lojas um pouco por todo o país.

Hong-Kong e Japão, também viram o tráfego de consumidores a crescer ao longo do trimestre, enquanto a China registou um aumento das importações e exportações em Maio, apesar da descida da afluência se situar nos -5%, no comparativo anual.

O valor das informações estratégicas sobre as tendências de consumo

Com o comportamento dos consumidores a mudar constantemente, alinhado com pressões externas, tais como as mudanças a nível político, é essencial que os retalhistas possam aceder a informações detalhadas sobre como e onde gastam os consumidores o seu dinheiro, para que possam tomar decisões estratégicas eficazes, baseadas nesse conhecimento.

A ShopperTrak, disponibiliza informação relevante sobre o comportamento dos consumidores, oferecendo aos retalhistas a informação e as ferramentas que precisam para ir ao encontro das suas exigências.

Descarregue os nossos relatórios de Tendências de Consumo na Europa e Tendências de Consumo na APAC, para mais detalhes sobre o desempenho do tráfego de consumidores no 2º trimestre de 2017.

Leia mais publicações de ShopperTrak