É altura do Centro Comercial se renovar?

Artigo
Por ShopperTrak on 02-04-15

Recentemente, muito se tem falado sobre o futuro dos grandes centros de compras situados fora das localidades. Durante muito tempo um símbolo da cultura norte-americana, o centro comercial é hoje visto por muitos como um formato de negócio em declínio. E porquê?

O problema não é certamente o desinteresse dos retalhistas. De acordo com o International Council of Shopping Centers, o segmento ocupado pelos centros comerciais, tinha no final de 2014, uma taxa de ocupação de 94,2% – a mais elevada desde 1987.

No entanto, nem todos os centros comerciais são iguais: ao longo dos últimos 8 anos, os espaços que se especializaram em marcas de luxo têm visto o seu valor duplicar, enquanto aqueles que se focaram nas marcas de consumo, têm sofrido algumas quebras, embora ligeiras.

Os consumidores não estão a desenvolver o gosto por artigos mais dispendiosos, no entanto, como nota o Financial Times, a fragilidade da economia dos EUA, implica que aqueles com menores rendimentos sentem menos inclinação para gastar dinheiro, enquanto que os consumidores mais abastados, têm vindo a aumentar o valor médio das suas compras.

Estes factores tão variáveis, têm dividido as opiniões do público no que respeita a novos investimentos. O recente anúncio sobre a construção de um mega-centro-comercial, com cerca de 800.000 m2, em Miami, tem sido criticado por muitos especialistas em retalho, como um investimento desnecessário. No entanto, os planos finais são bastante ambiciosos e revelam informação muito interessante do ponto de vista estratégico para eventuais centros comerciais a erguer no futuro.

Mais que criar um destino de compras por si próprio, os responsáveis pelo centro comercial de Miami querem incluir vários polos de entretenimento, como uma pista de esqui artificial, um parque Legoland e até eventos ao vivo com leões marinhos.

Embora isto possa soar um pouco exagerado, estes planos reconhecem algo muito importante: os centros comerciais são um destino social.

A razão porque alguns centros comerciais estão actualmente a decair, não se deve ao facto dos consumidores estarem saturados deste formato. A principal razão prende-se com o facto de que os centros comerciais estão desactualizados e ainda tentam desenvolver campanhas de marketing e criar elos de ligação com um tipo de cliente que já não existe.

 

Ter acesso a informação especializada que permita uma maior compreensão sobre os comportamentos dos consumidores é extremamente importante para o futuro dos centros comerciais. Para além do volume de visitantes, é importante conhecer a duração das visitas, os percursos efectuados, que instalações e serviços utilizam e a que campanhas de marketing reagem, para se construir uma visão tridimensional de como e por que razão as pessoas visitam o  seu centro comercial.

A partir daí, gestores e proprietários podem fazer as alterações necessárias para incrementar o valor dessas visitas.

Isto pode fazer toda a diferença para os centros comerciais líderes numa determinada região ou para testar novos eventos de marketing. Por exemplo, um relatório revelou que as lojas da Apple aumentaram as vendas em determinados centros comerciais na ordem dos 10%. E nos EUA, tem sido notório o crescente interesse dos consumidores por negócios familiares e independentes, pelo que dar a oportunidade a quiosques ou lojas temporárias de cerveja artesanal e restaurantes de comida verdadeiramente caseira, pode ajudar a aumentar os gastos dos consumidores.

O Site Analytics para Centros Comerciais da Footfall, é uma solução dedicada para ajudar os gestores e proprietários de centros comerciais a compreender o comportamento dos consumidores em tempo real e a tomar decisões orientadas ao aumento do retorno, tendo por base a informação estratégica recebida. Entre em contacto connosco para obter saber mais a este respeito.

Leia mais publicações de ShopperTrak